terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Quando chove (insanidade)

Viver é uma loucura,
e isso se repete toda vez que abro os olhos,
sim eu imagino seus beijos,
já que não os tenho mais.
Discordamos em quase tudo,
mas existe um amor que cobre
os defeitos e suporta as imperfeições,
que sanidade existe pra definir
os dias contínuos de domingos sem Sol
e segundas de céu azul?
Eu sinto seu cheiro em mim,
e seu tesão quando beijo sua barriga,
tudo bem são cócegas,
mas você disfarça muito bem.
É uma loucura tentar explicar pra alguém
o que se sente,
quem pode imaginar a vontade de arrancar as estrelas,
embrulhar pra presente e egoistamente esperar que você ame
e nunca divida com ninguém?
Sim eu sou um monstro,
mas nossos em comuns neblinam essa percepção.
Afinal é uma loucura amar alguém,
seja por mensagem,
por um dia,
por toda uma vida,
ei por favor não me venha com definições do que é o amor.
Se eu fosse um mapa todas as cidades teriam teu nome,
e o brilho dos seus olhos seria o Sol de todas as manhãs,
tão clichê, quase não me levo a sério,
quem levaria?
Flores as quartas, milhas que se esticam como alguém que apenas toca a ponta dos dedos,
vontade dá e passa, mas só para todos os sãos que nunca amaram de verdade,
vontade de quem ama é uma loucura,
é olhar a tempestade e se preparar para um espetáculo de raios, trovões,
eu sei você tem medo, mas o texto é meu,
então me deixe escrever rimas bonitas.
É uma loucura beijar na chuva, no parque da cidade,
escondido na escada, no carro,
durante o filme,
sério durante o filme é loucura mesmo,
mas não existe maior loucura que dar o último beijo, ou por assim dizer nega-lo.
E quem pode ser mais louco dos que vivem marcando datas em calendários,
esperando dias que podem não amanhecer,
dias de "amanhã será o melhor dia de nossas vidas"?
Você me diz que planejar faz parte,
que loucura a sua que dorme sem abraçar a melhor parte de você,
que usa guarda-chuva quando pode se molhar,
que inventa desculpas por medo de se machucar,
caia, rale esse joelho e daí?
O coração que dói é o mesmo que ainda bate,
e se cair de novo quem vai te culpar?
O amor é uma loucura sem tamanho,
é a velha história escondida de pais pra filhos,
é descobrir por si só que tudo muda em um minuto,
que todo não é um sim,
que todo fim é um começo, recomeço, como se diz recomeçar novamente?
Então tire os sapatos aproveite essa loucura,
ande descalça pelas ruas,
se molhe e aproveite a chuva,
porque as gotas de hoje nunca serão as de amanhã,
afinal é uma loucura acreditar que o amanhã existe.

Nenhum comentário: