sexta-feira, 6 de junho de 2014

Olhos fechados



Quase como fechar os olhos

querendo voltar para um sonho bom,

e encontrar em mim a melhor parte

que sempre foi você.

Eu não vou prometer que serei melhor,

talvez eu seja apenas um retardado,

que ocupou em sua mente a distância

que separa as estrelas da cor dos seus olhos de mel.

Quase como esquecer o caminho para casa,

olhando nas vitrines coisas que não preciso ter,

descobrindo em mim a saudade

dos melhores dias da minha vida,

que tiquetaqueando cada minuto

foram todos dedicados a você.

Eu não vou tentar esquecer,

seria improvável apagar seu sorriso,

seu jeito e tudo que sempre me fez feliz

se o que me resta além das lembranças

é o amor que ainda sinto aqui dentro.

Quase como falar sozinho

as palavras que foram ensaiadas

para tocar seu coração,

quem sabe aquecer o frio,

preencher o vazio,

e perceber que eu tentei navegar,

mas o pensamento sempre esteve no cais

e por isso os ventos de um tempo perdido

levaram embora uma segunda chance

de viver o que minha estupidez deixou para trás.

Eu não posso vencer a dor com um sorriso,

nem tenho a sorte grande

de trocar o restante dos meus dias longe de você

por algumas horas ao seu lado

sentindo seu cheiro de flor,

te presenteando em um dia comum,

dançando uma música qualquer na sala

e te beijando como alguém que tem apenas algumas horas

e o restante da vida sem você.

Nenhum comentário: