segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Pobre rei


‎Poderíamos ser príncipes,
em um reino eterno,
mas preferimos ser reis,
em um reino que passa,
correndo atrás de tudo o que não temos,
para nos convercermos,
que é tudo o que precisamos.

Escondemos nossos rostos,
consumidos pela idéia que não há nada,
que a humanidade não possa se adaptar.
Pra tentar fugir.

Tínhamos a sinceridade,
de uma vida inteira,
abandono consentido,
falsos refletindo a vida alheia,
parecendo o que não somos,
pra ser tudo o que não precisamos.

Nenhum comentário: