sábado, 19 de novembro de 2011

Vaidade


Sente do meu lado como se tivessémos nas mãos,
a eternidade ao nosso dispor,
vamos falar sobre as mentiras vendidas em rótulos de verdade,
vamos falar sobre nossa mania de comprar pela embalagem.
Será mesmo que isso tudo não é apenas um ensaio?
Eu não tenho dúvidas que Deus tem um senso de humor bem apurado,
mas nem por todos os motivos,
eu acreditaria que Deus teria um coração malvado,
que fere a fogo a bel prazer,
sem nos dar a oportunidade de fazer o mal a nós mesmos.
Os culpados não possuem espelhos,
não conseguem assumir,
não sentem seus pesares,
são podres há tempos que já não sentem seu fedor.
O sucesso é cultuado por qualquer alguém que valoriza,
o menos importante,
o mais fútil,
e nós forasteiros cometemos o mesmo erros,
como uma cultura estrangeira que nos engole com o passar do tempo,
a futilidade nos devorou.
Sente aqui do meu lado velho rei,
velho sábio,
o mais rico,
e se não te ofender...
Permita-me te chamar de o mais decepcionado.
Ninguém mais se lembra do lar,
do cheiro de poder estar em paz,
todos vivem numa maratona, uma correria que ninguém nunca chega em primeiro lugar.
Todos egoístas, pensando em sí mesmos,
culpando os outros, falando dos outros,
reis de suas próprias vidas,
é exatamente o que há tempos você viu debaixo do Sol?
Porque se for, a humanidade em nada mudou.
As duas filhas se multiplicaram,
e estão em cada canto da cidade,
consumindo nosso tempo, nossos sonhos,
nossa força,
e levando embora nossos grãos de mostarda,
e nesse exato momento em que conversamos,
já levaram todas as minhas lágrimas.
Os olhos secos só revelam o que você já viveu,
um tempo tão escasso,
que até aqueles que dizem adorar a Deus,
não o conhecem, e autoflagelam-se com conceitos humanos e tolos.
São os dias de antigamente como se fosse hoje,
é o mesmo Deus vendo o mesmo povo,
cometendo os mesmos erros,
e eu, um qualquer,
sentado ao lado de um antigo rei,
falando sobre um livro que o mesmo já escreveu,
e que resumindo tudo que disse,
apenas pode afirmar que tudo é vaidade,
tudo.

Nenhum comentário: