quarta-feira, 13 de abril de 2011

Teoria das mudanças


O silêncio quase sufoca,
eu usurpava dos sonhos,
a qualidade de ser sonhador,
hoje sou real,fato, quase frio.
Lembro bem das frases que inventei,
justificaram por muito tempo meus devaneios,
afinal tudo dura o tempo certo,
pelo menos é assim que penso,
quando penso em um Deus que não tem dúvidas,
e sabe exatamente onde tudo começou.
Eu costumava ser mais alegre,
não que me queixe,
recebi sem merecimento a dádiva de ter alguém,
e de ser de alguém ao mesmo tempo,
por falar em receber,
me vem a memória minha falta de agradecimento,
pela eternidade que virá,
pelos dias que vivi,
e pelo amor que recebi,
reforço ao dizer que foi sem nenhum merecimento.
Persistência era uma opção certa,
quando eu discursava sobre minhas atribuições,
hoje com o adoecer da esperança,
eu desisto mais rápido,
simplesmente por não acreditar em mudanças,
quanto ao sistema, circunstâncias e pessoas,
pessoas que já não me surpreendem,
logo não me decepcionam,
no fundo do que restou do que um dia fui,
eu acredito sim,
acredito que eu não perdi as esperanças nos outros e no mundo,
apenas não tenho grandes expectativas.
As coisas são de época, uns diriam até que são de "Lua",
outrora a verdade machucava,
hoje a lisonja é sinônimo da verdade,
lembro-me como se fosse ontem,
que tudo era simples pra quem tinha fé,
hoje tudo continua sendo simples, só que, para os que tem dinheiro,
mas como disse antes, as coisas são de época,
antes Deus não se vendia,
hoje Ele ainda não se vende,
mas tem aqueles que o façam.
Como era bom antigamente,
a coluna não doía,
matar aula era a maior batalha da preguiça,
e tudo que eu quisesse ser, eu poderia,
vai parecer clichê, pois continuará na rima,
mas tudo que eu escrevo aqui não tem nenhum sentimento de nostalgia,
é apenas uma teoria,
a teoria das mudanças,
do que foi, do que é e do que será,
com uma pitada de como seria.

Um comentário:

Ray* disse...

Tb estou nessa, não crio expectativas pq assim sofro menos. Parabéns pelo texto. Gostei muito. Bjão