domingo, 17 de abril de 2011

Encontrei


Estamos quites.
Mentia pra mim mesmo,
meu pobre pensamento,
eu que perdido e inseguro,
me achava sendo o dono do mundo,
mas nem isso te afastou.
Eu tentei te esquecer,
quem poderia me culpar?
Não existem escolas que ensinem,
a ser amado de verdade,
ainda bem que você não desiste,
até diria que você me encontrou,
mas não se pode encontrar o que nunca perdeu.
Não sei quando te deixei,
não tenho noção do tempo que estive aqui,
trocando cacos de um coração de pedra,
por um punhado de orgulho de ouro.
Relembre.
Você me diz como se fosse fácil,
são fatos ou medalhas feitas de papelão?
Sou o que diz ou luto pra não te decepicionar?
Temos nossos segredos,
seguiremos cada qual pra seu lugar,
um filme que acaba sem final,
esperando a versão do diretor ou esperando o protagonista chegar?
Quem não perde não pode encontrar,
quem não se surpreende não pode se decepcionar,
você me diz sabendo que eu vou sorrir no fim.
Então posso dizer que eu te encontrei,
quando estava perdido e inseguro,
longe de mim e de tudo.
Eu te encontrei,
quando era cada um por si,
e todos por quem quiser.
Te encontrei,
encontrei,
rei.

Nenhum comentário: