domingo, 10 de abril de 2011

Ainda não consigo expressar


Acho que às vezes deveríamos correr,
ir para algum lugar fora da estrada,
onde o Sol deixe seu olhar com cores,
que só daqui a mil anos irão inventar.
Mas pra isso é preciso deixar de olhar ao redor,
não se importar com os que vivem a vida alheia,
que fazem pra si conceitos que os aprisionam em suas próprias teias,
os fantasmas esquecidos,
que abarrotam o porão de nossas vidas.
Sim, todos precisam dar sua opinião,
encontrar algum lugar, mesmo até, que esse seja lugar nenhum,
afinal no país dos sorrisos fingidos,
quem não sorri não é feliz,
e se soubéssemos o que é felicidade,
mais do que um estado,
mais até do que uma palavra com descrição no dicionário.
Acho que o fim está tão perto,
e ao mesmo tempo distante,
são fantasmas esquecidos em nossa estante,
que mudam as cores do cenário,
e logo nos convencem que é novidade.
Quem sabe essas notícias no jornal,
não sejam parte de uma grande mentira,
que amanhã quando acordarmos veremos,
que perdemos quase tudo o que somos,
mas guardamos a convicção,
guardamos o motivo que nos faz acreditar,
que um dia tudo estará em seu devido lugar.

Um comentário:

Ray* disse...

Lendo seu texto lembrei de uma música do Renato Russo "Falam de algum lugar / Mas onde é que está ? / Onde há virtude e inteligência
E as pessoas são sensíveis / E que a luz no coração...'
Boa semana

citacoesecia.blogspot.com/