sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Hoje, quase, amor


Hoje eu quase entendi o amor,
eu abri os olhos e pude ver,
que todos os sonhos são possíveis com você,
e por mais que eu pudesse viver mil anos,
e a cada instante me esforçasse para te felicitar,
seria ainda que insuficiente para alcançar seu jeito simples,
de fazer meu mundo girar.
Hoje eu quase entendi o amor,
é o cheiro de flor que exala seus cabelos,
sua cara amassada de quem dormiu bem a noite inteira,
minha vontade de te ter pra sempre,
enquanto você se sente completa enquanto é abraçada.
Hoje eu quase entendi o amor,
é uma certeza que se tem de tudo que para o mundo é incerto,
é cantar no seu ouvido músicas que você gosta de escutar,
e se sentir saudade de você a cada segundo for paixão,
só posso dizer que nunca foi tão bom se apaixonar,
e se precisarmos de palavras para expressar,
que nossos passos sigam sem definição,
afinal os poemas mais bonitos,
são aqueles ditos quando ficamos sem ter o que falar,
e por mais que pareça clichê,
que poesia poderia se comparar ao que dizemos com o olhar?
Hoje eu quase entendi o amor,
é ser plural sem precisar perder o que é singular,
é aproveitar que nada se repete e viver com a intensidade,
de poder dizer que viveria tudo novamente.
Hoje eu quase entendi o amor,
e não é diferente do que dizem por aí,
não se resume em dizer,
não se prende em apenas sentir,
não se define por fazer,
e nenhum dicionário é capaz de conte-lo,
talvez por ser imenso e simples ao mesmo tempo,
talvez por ser o que digo,
o que sentimos, o que fazemos,
talvez porque eu quase tenha entendido,
talvez porque quando entendemos,
não seja amor.

Um comentário:

Kiro Menezes disse...

Se pudesse eu traduzir o que sinto
tuas palavras te faltariam
posto que te roubo (não minto)
cada versado dos teus
não mais aqui pousariam...
Seriam a mim, todos meus!!!


Encantador poetar... ♥