quinta-feira, 4 de novembro de 2010

O que penso ser


Eu sou um entre tantos que erram,
que gosta de acordar tarde,
às vezes sozinho, às vezes com tantos por perto,
amigos que sobram dedos pra contar,
sorrisos que disfarçam a apatia,
e a impaciência que tenho,
com pessoas que tem tantos defeitos como eu.
Dos que falam muito eu me destaco,
por dar mil voltas e parar no mesmo lugar,
aquele que vê mil coisas pela metade,
arrogante, desnecessário,
e dependendo dos benefícios sou até mesmo sincero,
ou quase sincero.
Teoricamente um sucesso,
praticamente um fracasso,
o cara errado, o pior partido,
que tenta superar, mas guarda mágoas na última etapa do esquecimento,
por falar nisso também sou o que me faço de coitado.
Preguiçoso...
Um dia de praia ou mais dinheiro na conta?
Vou curtir o Sol.
Metido a besta...
Ela me olha ou eu olho pra ela?
Nem sei de quem você está falando.
Acredito que não se definir já uma definição,
acredito que não seguir regras já é uma regra,
por isso tento não me prender as frases feitas,
por humanos como eu,
que tentam encontrar sentido para essa vida tão louca.
E por falar em sentido e em loucura,
como não terminar dizendo o mais importante?
Eu não tenho dinheiro, nem grandes anseios,
larguei a faculdade duas vezes,
já terminei relacionamentos,
não recebo ligações no fim do dia,
mas o que me importa é saber que mesmo com tantos defeitos,
ainda existe o caminho do recomeço,
ainda existe a possibilidade de acreditar.
E eu acredito não porque me contaram,
não porque li em algum lugar,
eu acredito porque conheço o Deus que eu sirvo,
e que por me amar me fez ama-lo.
Esse sou eu, ou pelo menos o que eu penso ser.

4 comentários:

Malu Joyce disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Malu Joyce disse...

Teoricamente um sucesso,
praticamente um fracasso...adorei essa parte, me identifiquei mto..rsrsrs...OLá, prazer, sou a Malu. Encontrei seu blog por acaso e parei pra ler. Achei interessante. =)

Ana disse...

Massa!

Kiro Menezes disse...

Pois ao meu ver, és bem mais do que vês em ti! És poeta vertiginado, balaústra de arquitetura belíssima: A POESIA!

:D