sábado, 18 de setembro de 2010

A rosa depois do furacão (Parte final do adeus)


Estou aqui como alguém que veio dizer oi,
mas sabe que hoje é a parte final do adeus,
então não vou apressar os instantes,
talvez seja repetitivo dizer que eu tenho pensado tanto em você,
mesmo sem motivos, mesmo sem te conhecer,
mesmo tendo em mente que você existir é o único motivo que deveria existir,
mesmo tendo em mente que ninguém conhece alguém como deveria conhecer.
Eu não me prendo à beleza das flores,
porque sei que flores secam quando deixa de chover,
mas pra mim tem sido difícil me libertar,
do pensamento que adormece ao seu lado,
e acorda com o cheiro que me lembra você,
já não me importo em ser poesia,
são palavras caindo como tempestade que enche as ruas.
Não vamos ficar em silêncio,
esse é o último momento que temos,
pra falar sobre as coisas que poderiam acontecer,
e não se limitar ao que aconteceu,
porque das coisas que passam nada podemos mudar,
mas daqui pra frente podemos viver como nunca imaginamos que poderíamos viver,
e eu gosto tanto de você,
pintaria o mundo da cor do seu quarto,
o céu da cor que você mais gosta,
seria seu afago até você adormecer.
Tudo está tão quieto,
eu sei que você tem tanto pra falar,
te faço um jantar enquanto você me fala seus medos, manias e defeitos,
e assim seremos dois deitados no sofá com a barriga cheia,
rindo sem concordar dos nomes dos filhos que não temos,
rindo porque temos mais motivos pra ser felizes do que para chorar.
É engraçado como o mundo é imperfeito,
e mesmo assim a gente enche a estante de porta-retratos,
com fotos na praia, fotos em casa, fotos fazendo careta no espelho,
fotos dos amigos, nossa história sendo detalhada.
Porque existirá um dia que as lembranças boas,
serão a essência do que nos tornamos,
e os medos serão menores, as manias diferentes,
e os defeitos darão lugar a qualidades,
mas mesmo assim em meio a todos possíveis conflitos seremos um.
Mas esses são os planos que nunca se realizarão,
afinal eu vim dizer oi,
sabendo que hoje é a parte final do adeus,
e pouco importa se estou apaixonado ou não,
o que importa é dizer que você é tudo,
mas vai continuar sendo tratada por alguém como se fosse nada,
que você é um mundo raro,
mas vai ser apenas uma estrela apagada em algum lugar dos espaços que sobram.
Das coisas que fazem parte do adeus,
eu prometo me ater a não olhar pra trás,
só quero que você saiba que você sempre será mais,
mais do que você pensa que é, mais do que dizem que você é,
mas se mesmo assim você não quiser acreditar,
então releia essa carta que eu escrevi na intenção de você não ler,
e se prenda ao que poderia ser e simplesmente nem começou.