sexta-feira, 21 de maio de 2010

Deixa ser (amo seu cabelo despenteado)


São mil beijos de bom dia,
seu cheiro, seu abraço,
os sonhos sussurrados,
enquanto mordo sua orelha.
São mil frases repetidas,
seu jeito, nosso espaço,
suspiros apaixonados,
de uma amor pra toda vida.

Deixa ser o tempo que se arrasta,
seu cabelo despenteado,
seu jeito de sorrir sem graça.
Deixa ser a vida que se passa,
seu jeito de me chamar de amor,
um dia tudo será como deveria ser.
Deixa ser...

São mil dias ao seu lado,
seus olhos, sua boca,
o beijo bobo no seu queixo,
a covinha linda no seu rosto.
São mil razões de um apaixonado,
suas qualidades, seus defeitos,
tudo que faz me apaixonar,
todos os dias só por você.

terça-feira, 4 de maio de 2010

Mundo pequeno


Se é pra entrar na contra mão,
eu entro acelerando,
já tomei minha decisão.
Se é bater ou correr,
que venham então,
eu não sou filho de pai assustado não.
Se é pra viver uma vida lascada,
eu aproveito meu tempo,
vivendo intensamente momentos,
pra não perder a diversão.

Tento ser mais sincero,
a acidez do que falo,
corrói meus pensamentos.
Tem todos os mapas,
mas sua mente pequena,
faz seu mundo caber na minha mão.


Se é pra ouvir mentiras,
eu prefiro ver tv,
seletividade rendida a bel-prazer.
Se é chuva ou Sol,
coloque o biquini,
e vamos para um lugar melhor.
Se é pra me preocupar
vai ter que se esforçar,
porque o que você faz grita mais alto,
que o tom da sua voz.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Quanto dura a eternidade


Ela dá cor as flores,
e traz Sol ao meu amanhecer,
o sopro dela é o perfume,
que levarão mil anos para descobrir.
Ela faz ser real o que era sonho,
é o jardim do meu pensamento antes de dormir,
ela é o vento que bagunça meu cabelo,
a menina que em meus braços perde os medos,
a mulher que eu dedico todo meu desejo.
Ela é o olhar que as estrelas usam ao anoitecer,
a valsa que a Lua dança com os apaixonados,
nas noites que não foram feitas para se ficar só,
ela é a risada dos meus planos de mudar o mundo,
o beijo em minha testa quando preciso me sentir melhor.
Ela é a simplicidade de uma criança,
e a sabedoria de uma anciã,
é a menina que vai de chinelo comprar pão,
a mulher que chama toda a atenção.
Ela é o meu rosto vermelho de vergonha,
o beijo que cala minha explicação,
ela é o meu amor que transborda,
os pés que caminham juntos na mesma direção,
as dificuldades vencidas sem largar as mãos.
Ela é o bocejo e o boa noite em tom de cafuné,
que se encaixa perfeitamente no calor do nosso adormecer,
o jeito doce de me convencer,
que minhas piadas são sem graça,
mas que mesmo assim ela ri.
E por falar em rir,
ela é meu sorriso distraído,
enquanto espero o ônibus no terminal,
a letra de todas as canções,
a melodia de todas as composições,
ela é a única razão que a emoção encontra,
para racionalmente se emocionar.
Ela é o motivo da saudade que machuca,
que arranca pedaços do peito,
e sem cura acaba sufocando meu tempo,
que se passa lento e sem motivos,
quando ela não está por perto.
Ela é o mundo que gira,
ela é o dom de me vencer em qualquer aposta,
e a vitória de mesmo eu perdendo, ainda ganhar,
ela é a aliança em meu dedo,
e a eternidade do meu fiel sentimento.
Ela é o ar que me faz perder o fôlego,
o amor que inventamos,
e ao mesmo tempo todo o amor que se existe para amar.
Ela é a vontade de voltar para o mesmo sonho,
e o coração que bate junto ao meu,
ela é a atriz principal,
enquanto as coisas mais belas sempre aparecem em segundo plano.
Ela é você e eu sei que você vai fingir não saber,
mas de todas as certezas,
a única que tenho é que tudo é real por ser com você,
e isso você nunca vai conseguir esconder.