quarta-feira, 31 de março de 2010

Palhaçada


O circo está pegando fogo,
mas e daí não gosto de palhaço,
não te fiz promessas,
sei bem as coisas que faço,
não me culpo por saber dançar.
e errar o passo.

Não, eu não sou herói,
não carrego o mundo,
que pesa sobre nós.
Não, eu não sou o melhor,
sou apenas o que sou,
não preciso provar nada pra você.

O mundo está indo de mal a pior,
mas e daí ninguém faz sua parte,
não te grito segredos,
sei bem quando tudo vai para o espaço,
essa história de ser perfeito,
me enche o saco.

Não desça do salto, fique no alto,
não suje sua roupa, essa é sua escolha,
não cuspa seus conceitos, faz parte dos seus defeitos,
e eu sou apenas o que sou.

domingo, 28 de março de 2010

Brinquedo (Tudo que ainda sinto)


Eu que te queria tão bem,
já não me quero mais,
se eram flores que eu tinha,
hoje só restam espinhos.
Não sabia que era só dar corda,
nesse seu coração de brinquedo,
pra que aos poucos,
destruisse meu mundo inteiro.

Passo pelos lugares,
que andamos juntos,
como duas pessoas,
não como dois objetos.

Eu que senti,
seu peito junto ao meu,
já não consigo me sentir,
se foi tão doce seu beijo,
só me resta o amargo,
do favo de fel.

Se o dia não acordar


Se o dia não acordar,
esqueça as frases decoradas,
carregue as bagagens,
com tudo que traz esperança.
E lembre de dar o último beijo,
e lembre de prender a respiração.

Desaba sobre nós,
a chuva gelada,
desse céu de chumbo,
o que deixamos por fazer,
e as preocupações do mundo.

Se o dia não acordar,
diga o que tem pra dizer,
envie cartas de amor,
para um endereço qualquer.
E lembre de dar o último beijo,
e lembre de prender a respiração.

quarta-feira, 24 de março de 2010

Me deixe


Me deixe ficar triste,
por alguns momentos,
sentir um pouco,
do que o mundo inteiro sente.
Me deixe ficar em silêncio,
ouvir a mesma canção,
milhões de vezes,
redescobrir em mim,
o jeito humano de ser.

Não me peça definições,
nem me diga como deveria ser.
Não me traga preocupações,
por hoje e só por hoje,
só me diga o que for bom dizer.

Me deixe aproveitar o Sol,
por alguns minutos,
sentir na pele,
o calor que a humanidade sente.
Me deixe sentir medo,
desse mundo tolo,
que nada faz sentido pra gente,
redescobrir em mim,
o jeito humano de ser.

Expectativas


Primeiro criamos um mundo de expectativas,
falamos nossos discursos apaixonados,
beijamos enquanto o Sol se põe,
damos flores e ela fica deslumbrada,
dizemos eu te amo e ela se sente amada,
mas isso tudo só em nossa mente.
Depois acreditamos que tudo acontecerá de repente,
olhares que se cruzam, frases na hora certa,
o momento perfeito ao apagar das luzes no cinema,
sem promessas, sem apresentações de qualidades,
ou esconderijos de defeitos,
é a simples borboleta que achou sua flor.
As mãos se tocam sem querer enquanto vocês caminham pelas ruas,
você olha nos olhos dela como uma criança boba,
querendo que ela fosse só sua,
e existe um beijo de adeus,
mas são expectativas.
A realidade é dura e fria,
ele diz que vai ligar e não liga,
diz que foi sair com amigos e está beijando sua amiga,
ela faz você pensar que é diferente, mas é só mais uma a fechar a porta,
ela te beija como alguém que pode viver a vida inteira ao seu lado,
mas te deixa se sentido como se não houvesse ninguém em volta.
Não me queixo sobre as coisas que passaram,
se ao redor são pedaços,
feliz me sinto, eram apenas expectativas,
expectativas de fazer alguém feliz,
expectativas dessa pessoa achar em você tudo que sempre quis,
então não existem culpados,
e sim nuvens que se dissiparam,
e quanto menos nuvens mais Sol a brilhar.
Quanto a dar flores, em algum momento aquilo fez sentido,
quanto a dar amor, por alguns instantes foi importante,
quando a esperar algo a mais,
isso realmente é desnecessário,
não espere ligações, bombons, ou um amor pra vida inteira,
porque isso são expectativas,
e expectativas sempre quebram, sempre se vão.
Das coisas que valem esperar,
espere que os momentos sejam vividos intensamente,
e que sejam bons,
porque amores pra uma vida inteira são formados de momentos,
intensos e as vezes nem tão bons.
Por tanto diga adeus as expectativas,
e viva a realidade de uma vida linda.

sexta-feira, 5 de março de 2010

Coração


Ele está sentado esperando,
segura o celular nas mãos,
como quem segura o destino de uma vida inteira,
não existe um sorriso, só um olhar distante,
sem compreensão, uma expectativa que ansiosamente se segura a esperança,
prevendo que logo quebrará ao cair no chão.
Se ele soubesse que ela não se importa,
que das mil coisas certas que ele possa fazer,
as coisas que ele não faz são sempre as que fazem mais falta,
e isso todos que o vêem notam,
notam em sua cara triste,
notam ao verem as rosas que sentadas ao seu lado,
esperam para ter a certeza que ela não vai aparecer para recebe-las.
Ele sente a garganta dar um nó,
se ele soubesse que ela não vai ligar,
que seu mundo irreal colidiu com a realidade,
das pessoas que não sabem amar,
ou ao menos não quiseram ama-lo.
Ele está sentado ali fazem horas,
o tempo já mudou e gotas logo cairão,
e eu queria não sentir dó,
ao ver que os planos dele,
vão morrer afogados por cada gota de chuva,
e o vento frio que corta seu rosto,
corta também as frases que planejou falar,
corta os pulsos da esperança de ver a saudade se esvair,
mesmo que por alguns momentos.
Se ele pudesse ouvir o que ela diz a si mesma,
tentaria viver sem ela até conseguir,
ela diz que é impossível,
ela diz que existem mil motivos,
ela diz que não consegue se apaixonar,
e quem poderia culpa-la,
ele é só um coração sentado num banco,
um coração molhado da chuva,
um coração com flores que catou pelas ruas.
Ele é só um coração que faço algumas perguntas,
pergunto se ele quer um guarda-chuva,
ele olha pra mim como se não houvesse temporal,
e me diz que não importaria guarda-chuva,
se são de seus olhos as águas que inundam a rua.
Pergunto se ele quer alguma ajuda,
ele ensaia um sorriso,
e me responde como se esperasse essa pergunta,
me diz que um coração só precisa de uma só coisa,
e é de um peito pra bater,
de um motivo pra viver,
de um amor pra existir,
e isso tudo é a mesma coisa.
Eu saio sem respostas, mas com muitas perguntas,
olho pra trás e vejo o pobre coração sentado na chuva,
com flores ao lado e um celular que não funciona mais,
e me pergunto qual peito anda vazio sem esse coração?

quarta-feira, 3 de março de 2010

Cara errado


Eu sou o cara errado,
daqueles que ensaiam o que falar,
mas no momento certo ficam calados.
Eu sou o cara errado,
complicado, diferente, meio retardado,
daqueles que mandam chocolate depois do primeiro encontro,
e perdem a chance de ter um próximo.
Eu sou o cara errado,
exagerado, bobo, sensível e desastrado,
daqueles que dão flores, escrevem poesias,
mas não tem ninguém ao lado.
Eu sou o cara errado,
que se apaixonada pela menina errada,
que faz canções sem saber tocar violão,
que vive catando pedaços do coração.
Eu sou o cara errado,
que tem mil defeitos,
algumas qualidades,
que não limitam, nem me definem por inteiro,
mas que te afasta o suficiente,
pra você recusar meu mundo inteiro.
Eu sou o cara errado,
que sente saudade da família que não tem,
dos sonhos que ainda não sonhou,
que sente falta de alguém que nunca encontrou.
Eu sou o cara errado,
que fala palavrão e chora com o final de um livro,
que faz piadas sem graça,
que odeia acordar cedo,
que liga só pra dizer te amo,
e não dorme sem revisar a vida,
nem sem o barulho do ventilador.
Eu sou o cara errado,
que parece querer conquistar todo mundo,
mas trocaria o mundo inteiro por uma só,
que é fiel, gosta de ouvir e faz cafuné até a mão doer,
que dá o casaco e morre de frio,
que desenha na areia um coração,
que conhece seus defeitos,
mas te vê pelas qualidades.
Eu sou o cara errado,
que repara na cor dos olhos,
que não consegue ser meio termo,
que toma banho de chuva,
e sempre quando vai tirar a lasanha do forno queima o dedo.
Eu sou o cara errado,
que ama as coisas simples,
que não é notado,
que por tanto querer tem que esquecer,
pois no final das contas ninguém gosta de caras errados,
não como eu.
Eu sou o cara errado,
do lado certo,
procurando a pessoa certa,
do jeito errado,
e que guardou o coração numa caixinha,
que desabafa as magóas, os medos e as frustrações,
de um cara errado que tentando acertar,
acabou mais uma vez ficando sem ninguém ao lado.