sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Os heróis com capa de saco de lixo

Quem perguntou seu nome ao chegar?
Cheiro de lixo paira no ar,
convivemos com circunstâncias tortas,
e nada que é feito muda o fato,
das crianças que brincam de super heróis,
segurando sacos plásticos.

Feche o vidro do seu carro importado,
o amor a si mesmo bloqueia a visão,
de quem está ao lado,
e por falar em lado parecemos estar,
do lado errado,
e no mundo real onde o sangue não é tinta de papel,
ignoramos as crianças com tarja nos olhos,
que aparecem nos retratos.

Comece a procurar suas roupas rasgadas,
as coisas que você muito gostaria de se livrar,
elas servem como ouro para o entulho da humanidade,
e ao som das canções que falam sobre oportunidades,
nos falta um dicionário pra entender o significado,
do que é ser bem alimentado, bem cuidado, bem tratado,
mas o que nos resta são apenas alguns trocados,
e após vender todas as balas no ônibus,
apenas dizer muito obrigado.

Deite em seu travesseiro,
não há beijo na testa,
pra quem quase morre congelado,
é o mundo real que você não faz parte,
sua luta diária é pensar como gastar o décimo terceiro,
e a nossa é ficar atento ao lixo pra ver se nos resta migalhas,
ou ao menos um olhar sem menosprezo,
afinal qual é meu nome?
E quem é humano o bastante para se importar?
Poderíamos ser os heróis com sua capa de saco plásticos,
mas seríamos sempre os vilões que roubam carteiras nos sinais.
E quem humano pra desenhar um Sol nos dias que só chove sobre nós?
Poderíamos ser o futuro da nação que luta por um futuro melhor,
mas seríamos sempre a escória de uma nação que se perde no passado.

Então antes que você me diga não,
quando eu pedir pra engraxar seu sapato,
só te peço que faça o relógio ir mais rápido,
pra que eu sinta fome por menos tempo,
e fique menos com o cheiro de rato que roem meus cabelos,
porque posso parecer um herói com uma capa feita de saco de lixo,
que pouco te importa se come ou deixa de comer,
que parece mesmo um bicho, vira-lata e jogado na calçada,
mas aqui dentro desses olhos fundos que brilham,
só apenas uma criança que precisa de abrigo.

Eu que tanto falo sem palavras pra dizer


Se minha mente for de encontro ao seu mundo,
e perdida não souber como voltar,
cuide dos planos que foram feitos só para você.
Se meu coração frágilmente for parar em suas mãos,
não negue sua respiração,
é o que motiva mais um dia que nasce sorrindo.
É que nesses dias que parecem tão normais,
eu fujo sempre pra onde o brilho dos seus olhos possam estar,
e lá fico até adormecer.
Os amores inventados rendem livros bem vendidos,
e nós vivemos um para o outro como palavras,
que nunca poderão ser escritas,
afinal são nossas vidas em uma só.
Me telefone tarde só pra dizer que queria ouvir minha voz,
eu faço isso sempre com você,
te dando bom dia de mil formas diferentes,
como um sonho que não se repete,
como um sonho que se realiza só com você.
Me resumo em fazer de você a pessoa mais feliz,
é que você é tudo que sempre quis,
é infantil como um criança soprando contra o ventilador,
mas todo meu fôlego dedicaria a você.
Fico tentando escrever mil coisas,
e me flagro sem palavras pra dizer,
são em momentos como esse,
que me lembro dos poetas que diziam,
que o instante eterno,
é quando nossos olhos se veem,
e eu que tanto falo fico sem ter nada a dizer.

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

O que as flores não dizem

Acho que ela não percebe os sonhos,
que são formados só por ela existir,
existir no meu mundo de um continente só,
pra que o nosso amor nunca possa se perder.
Pra não te confundir eu riscarei palavras,
e direi tudo com um olhar,
olhar que desenha estrelas no céu dos seus olhos,
e um infinito inteiro de sentimentos que se dividem em partes,
pra não te assustar.
Se é distante para colocar um flor em seus cabelos,
é perto o bastante pra sentir a vontade de te ter em meus braços,
por dias inteiros,
e ser tão seu como alguém que se apaixonou primeiro.
Mas não te trago complicações,
no peito só a saudade de um beijo,
que me sufoca a lembrança,
de nunca ter vivido.
Só a pobre esperança,
do seu nome escrito na areia,
formando o mais lindo começo.
Acordaremos juntos?
Andaremos de mãos dadas?
Seremos dois que sonham como um?
Não é diferente pensarmos assim,
e se nem pior, nem melhor que ninguém,
quem sabe não somos iguais,
como jovens apaixonados,
que contam dias no calendário,
quem sabe não somos o beijo roubado,
e as palavras que te deixam envergonhada.
Te darei as flores que caem de seus cachos,
sentirei o perfume por estar em seus braços,
serei o mais feliz por te ter perto,
que farei um quadro de giz com todo o espaço,
e estrelas e planetas darão lugar,
as únicas palavras escritas e repetidas,
que cantarão o quanto foi bom te conhecer.
Porque existem coisas que as flores não dizem,
e elas se calam por não saber,
o que é sentir saudade de todas as coisas,
que ainda não vivi com você.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Morena (sorrisos e seu allstar)

Não faço rascunhos,
e fico sem saber o que dizer,
seu sorriso me embaraça,
me faz ficar perdido,
e até meio sem graça.
Não reluto com pensamentos,
eles cantam seu nome até eu adormecer,
são cores que pintam o dia cinza,
é seu jeito de ser linda,
como um sonho,
um sonho que acordamos sorrindo,
com vontade de sonhar novamente,
o sonho bom de te conhecer.
Acho lindo seu sorriso,
com a intesidade que faz eterno o que logo deveria passar.
Acho lindo seus olhos escuros,
com a força de uma estrela que os fazem brilhar.
Não tento entender,
seria estranho de mais não sentir falta de você,
do seu cheiro as oito da manhã,
do seu allstar branco,
do abraço que deveria ter durado mais.
Não me prendo ao todo,
sigo observando os detalhes,
dando valor as coisas simples,
porque o todo é complicado,
e os detalhes definem a simplicidade,
e simples pra mim é ficar pensando em você,
nas mil teorias que poderiam acontecer,
se eu pudesse fazer de você a pessoa mais feliz.