segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Queria que fosse ela

Queria que fosse ela,
que estivesse aqui,
que pudéssemos sair.
Queria que fosse ela,
pra amar pra vida inteira,
de alguma maneira sei,
que ela me faria feliz.
Queria que fosse ela,
meu despertador,
meu beijo de bom dia,
a última voz antes de adormecer,
o sonho que tenho,
de viver em par.
Queria que fosse ela,
a dona das minhas poesias,
do meu pensamento,
do meu dia-a-dia.
Queria que fosse ela,
a rir de mãos dadas pelas ruas,
fazer caretas no espelho,
viver um amor por inteiro,
correspondido,
intenso, lento e rápido ao mesmo tempo.
Queria que fosse ela,
no meu colo,
no meu ouvido,
na minha boca,
no meu peito,
fazendo de mim seu objeto de desejo,
como ela mesmo diz.
Queria que fosse ela,
pra colorir o céu comigo,
acordar tarde,
depois de ter dormido exaustamente cedo.
Queria que fosse ela,
a escrever meu nome na areia,
a sentir cócegas na barriga,
e ficar brava quando não ligo.
Queria que fosse ela,
bem perto de mim,
bem do jeito que somos iguais,
sem medo do que pode acontecer,
porque ela saberia, de alguma forma ela saberia,
que é pra acontecer,
ou ao menos aconteceria,
se fosse ela a estar aqui.
Queria que fosse ela,
pra ver o Sol nascer,
mesmo que da janela do quarto,
depois de uma madrugada inteira,
de carinho,
de prazer,
de amor,
de ficar deitado contemplando o momento,
sem ter nada pra dizer.
Queria que fosse ela,
pelo mundo a fora,
aqui e agora,
sem adeus na hora de ir embora,
um mundo que gira duas vezes,
num só dia, num só minuto,
pra faze-la cantar,
bem baixinho, quase sussurrando,
a música que é nossa cara,
nossa história, nosso jeito.
Queria que fosse ela,
eu apenas queria que fosse ela.

Um comentário:

@ disse...

está simplesmente lindo.