segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Sobre o tempo

Fazem dias, eu sei,
como vou explicar o que não conseguimos alcançar,
essa arma chamada tempo,
apontada para o meu peito,
vou então te ligar,
para dividir momentos,
antes de deitar.
Não seja tão dura com as palavras,
existe um céu pra quem sabe voar,
um chão para os que caem,
e esperança para os que levantam,
vou então te ligar,
ser alguém em que você pode confiar.
Está frio esta noite,
estou longe de casa pra te dizer oi,
respiro como se fosse a última chance,
de relembrar seu perfume,
fecho os olhos para que você não se sinta sozinha,
sem vontade de sair do quarto,
e encarar a vida.
Quando chegar a hora em que nosso olhar se cruzar,
espero não ter palavras pra dizer,
como alguém que morre a vida inteira,
por sentir saudade de coisas não vividas,
só que antes de deitar,
vou dividir momentos com você,
antes que seja disparada,
essa arma chamada tempo,
que desde que nasci está apontada para o meu peito.

Nenhum comentário: