quarta-feira, 15 de julho de 2009

Ele é como você

Uma noite fria pode dizer pouco pra você,
mas quando tudo que se tem é a chance de se arrepender,
e isso é negado a você,
em um lugar onde só pessoas perfeitas ficam de pé,
se sentir incapaz já não se faz uma opção pra você.

"Ele está com a arma na mão,
com mais coragem do que antes,
sem saber o que fazer,
e ele não é herói,
é só alguém como você."

As portas fechadas o lembram a cela em que estava,
seu dasabafo é contado através das tatuagens em seu corpo,
é triste ouvir sem saber o que dizer,
o Deus que é pregado está tão longe,
que de tão comerciante parece não existir.
As lágrimas caem sem querer,
é um homem dentro de um coração despedaçado,
ou um coração despedaçado dentro de um homem desesperado?
Tortura e dor dentro daqueles olhos lacrimejados,
as palavras dele caiam como um cravo em minhas mãos,
uma igreja santa não tem espaço pra alguém tão culpado.

"Ele está com a arma na mão,
com mais coragem do que antes,
sem saber o que fazer,
e ele não é herói,
é só alguém como você."

Ele fala de uma filha e suas duras palavras,
ele fala de sua tristeza ao ver o rosto de quem amava,
se transformando no rosto de alguém decepcionada,
e ele grita em seu silêncio que aquilo o mata,
mas que o câncer em seu corpo.
Tenho tanta vontade de dizer sobre o Deus que conheço,
mas ninguém ao meu redor parece conhecer,
ele se sente abandonado por um Deus,
que abençoa qualquer um que faça por merecer,
que é fiel aos fiéis e ignora qualquer um que não crê,
e com a arma na mão ele me pergunta: quem é que nasce crendo?
E eu nada posso fazer, porque ele é alguém como eu,
sem saber o que fazer.

Nenhum comentário: