sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Não mais

Alguém que se cansou,
que ficou desanimado,
exaurido por vestir uma armadura de rei,
sendo apenas um pastor.
Ninguém consegue entender,
corações despedaçados,
doem ao se espalhar em cacos,
e a verdade não pode ser,
apenas lida num pedaço de papel.

Me ensinaram o que fazer,
eu fiz questão de aprender,
que tenho direito de discordar,
afinal você só corre depois de aprender a andar.
Então caminhe em direção ao que é certo,
porque minhas pegadas são solitárias,
e me adapto a vontade de me convencer,
que tudo vai ser como sonhei,
mas acabo me lembrando,
que isso pode não acontecer.

Ouvi histórias sobre um lugar,
em que estar perto será mais importante,
em que sonhos serão mais relevantes,
em que promessas valerão bastante.
Mas enquanto isso pela última vez,
eu conto estrelas e mais nada,
porque nem todo amor do mundo poderia ser capaz,
de fazer valer a pena horas no telefone,
e diferentemente a alegria de me adaptar,
só me recorda como é sentir o sentimento distante.

Não existem regras sobre meus ombros,
se sinto medo confesso, se erro me arrependo,
não uso mais máscaras de super herói,
não preciso me prender em minhas próprias leis.
Sigo de olhos abertos,
mas distante de poder fazer você entender,
que prefiro fechar os olhos,
ao ver amores escritos com um olhar.

Estou atravessando o fogo de dias que vão melhorar,
mas parece ser meio tarde pra sentir tudo e algo mais,
eu sei a verdade dói, mas a mentira dói muito mais,
mas o desembarque continua esperando notícias,
de um amanha que nunca vai chegar.
É tudo que penso sem querer fazer sentido,
é um mundo inteiro se perdendo em alguns segundos,
é dizer te amo dando um adeus,
mas não me peça pra entender,
não consigo mais.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Ainda um menino

Eu tenho me esforçado muito,
pra ao menos entender o final das coisas,
e ter a certeza de que as escolhas feitas,
vão fazer sentido pra alguém.
Mas nem tenho conseguido dormir,
meus sonhos sempre caminham um passo além,
me fazem sentir saudade de coisas que nem vivi.

E como menino bobo,
que espera andar de mãos dadas,
que espera fielmente a amada,
eu vivo um dia de cada vez,
com um coração que não cabe em si.


Nunca fui tão forte pra achar soluções pra mim,
sempre estive na corda bamba,
entre ser importante ou ninguém,
mas tudo só se completa quando chega no fim.
Então não posso mentir,
nada cresce onde as florestas queimam,
assim como o amor vai pra longe de mim.

Para o espaço

Me deixe um pouco quieto,
dessa vez não vou falar,
coisas pra ninguém achar bonitinho,
nada de flores, poemas ou vinho,
apenas dizer tudo que sinto.


Bem melhor agora que respiro,
antes só do que ficar sozinho.
Bem melhor agora que estou vivo,
antes o fim do que um pra sempre finito.


Me cale com seu beijo,
dessa vez não vou fingir,
ser perfeito pra você se iludir,
nada de desculpas, certezas ou desatinos,
apenas ser tudo que você nunca quis.

domingo, 25 de janeiro de 2009

Sufocos e tentativas

Sufoca o peito saber que ela não está aqui,
e não adianta fechar os olhos,
ou dizer que está tudo bem,
nada muda o fato,
dos segundos se passarem lentos.


Dói querer te ter,
e saber que você se foi.
Dói ver o céu azul,
nublando sobre mim.
É que mais que tudo,
eu só queria você aqui.


Aperta a garganta saber que ela não está aqui,
e não adianta me distrair,
ou procurar algum lugar pra ir,
nada muda o fato,
de tudo parecer estar parado.


Eu repenso em tudo pra tentar esquecer.
Eu escrevo coisas que você não vai ler.
Eu revivo momentos pra adormecer.
Eu tento de alguma forma,
me adaptar ao fato de não ter ter aqui.



domingo, 18 de janeiro de 2009

Longe de você só escrevo saudade

É tão difícil ficar longe de você, porque tento escrever sobre amor, e só escrevo sobre saudade, tento escrever sobre sorrisos, e só escrevo sobre lágrimas.

Longe do seu abraço, nem consigo dormir, é que são tantas promessas, e meu tempo tem tanta pressa.

Não sou forte pra conseguir dizer que consigo suportar, os segundos se passam, roubando meu ar, se estou assim, sem te ter aqui.

É tão estranho a estrada sem você, o caminho da sua casa ficou mais distante, e eu cometo o mesmo erro, de me perguntar como será possível, viver sem você.


Longe do seu toque, a exatidão parece insensata, e trago no peito a esperança, de que isso tudo, é apenas uma brincadeira sem graça.

É que a saudade dói, quando procuro seu olhar, e não encontro.



É que a saudade dói, quando procuro te encontrar, e não encontro.



É que a saudade dói, quando tudo que mais quero, é só mais um instante.

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Sincero

Eu quis ser sincero,
enquanto você fingia ouvir.
Eu quis te dar meus planos,
enquanto você não estava nem ai.

Mas sem peso nos ombros,
caminho na direção oposta,
de quem nem fez esforço,
pra me ajudar.

Uma distorção do que falei,
uma história em pedaços,
um monte de coisas que eu não sei,
cada um procurando seu espaço.

Eu quis ouvir sua opinião,
enquanto você não prestava atenção.
Eu quis dividir meu fardo,
mas você não me deu opção.

Eu não sabia, eu não queria,
que de repente tudo acabasse assim.
Eu não entendia, eu não previa,
que de repente a culpa cairia sobre mim.