terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Eu sonhei

Eu sonhei com um dia normal,
em que as pessoas não precisam ser inventadas,
que ninguém joga com cartas marcadas,
que ninguém ganha amores com frases decoradas.
Eu tive um dia de cão,
vi flores secarem ao chão,
cartas rasgadas com fotos,
mil motivos para não partir um coração.

Eu continuo acreditando,
em um céu azul,
sem nuvens de tempestade.
Eu continuo acreditando,
na última chance,
no dia em que tudo dar certo,
será verdade.

Eu sonhei com um dia feliz,
em que estender a mão não será só pra quem pode retribuir,
que ninguém desiste antes de insistir,
que tudo vai fazer sentido antes do fim.
Eu tive um dia pacato,
fingir ser perfeito,
é como vender a alma para o diabo,
por alguns trocados.

Para 2009

Eu continuo acreditando, de alguma forma acreditando,
que pastores serão pastores de verdade e não meros administradores,
que líderes serão levantados não por serem puxa-saco e sim por terem o chamado.
Eu continuo acreditando que amigos serão amigos de verdade,
sem sorrir pela frente e pelas costas agir com falsidade,
sem esconder dores de cutuvelo só para manter uma amizade.
Eu me feri, me perdi em algum lugar que nem mesmo sei o nome,
fui do topo ao precipício sem poder me segurar,
ouvi dizer que sou fraco, que a culpa é toda minha,
ouvi pedirem explicações que não abalaram a opinião formada sobre o que realmente aconteceu.
Eu me fiz de forte quando voltei do sertão e reparei que minha cidade é bem mais seca,
que durante cinco anos da minha vida lutei pra ser alguém perfeito,
e depois de supostamente alcançar essa posição vi que isso é impossível de agüentar,
tive o mundo nas costas e ele pesa demais, pode acreditar.
Mas eu continuo acreditando que as pessoas vão falar a verdade,
que não escolherão apenas os melhores, os vencedores que supostamente fazem a história,
que as pessoas terão oportunidades sem que outros tenham que abandonar sonhos.
Eu continuo acreditando que o evangelho não será uma forma de entreterimento,
com festas, músicas, ambiente social, mas o mesmo vazio que se encontra em qualquer boate.
Eu continuo acreditando que as pessoas vão rasgar suas máscaras,
e nossos diferentes segmentos teológicos que tanto nos separam,
vão ser deixados de lado para que o maior motivo que existe para quem se diz cristão possa nos unir, caso você não saiba, me refiro ao amor, amar a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo.
Eu falhei, abandonei e nem olhei pra trás,
ouvi Deus falar no meu ouvido, mas dei ouvidos as minhas dores de ser incompreendido,
de ver pessoas injustas recebendo medalhas por heroísmo e eu ser punido por erros que não foram só meus.
Eu fui acusado, declarado culpado sem chance de ser absolvido, não por palavras, mas pelo olhar do juiz escolhido, fui deixado de lado como alguém sem importância como na verdade ele sempre me tratou, mas esse ano eu fiz questão de soprar a poeira em meus olhos.
Minha voz se calou, já não canto mais, minha melodia só hoje encontrou o tom da alegria, já estou melhor, aprendi na pele que as pessoas falam coisas que não sabem como se fosse a realidade dos fatos, por isso estava desviado sem estar, rebelde sem ser, uma benção que virou maldição, incrível como o mundo gira.
Mas eu continuo acreditando que quem deveria se importar vai continuar se importando, que dizer que não existem cartas marcadas é fácil demais quando se tem o jogo ganho na manga.
Eu continuo acreditando que o amor não enxerga distância, que as regras separam mais do que alcançam, que um amor pra vida inteira pode ir embora, e amar mesmo assim parece coisa de louco, mas esse ano descobri que devo ser louco.
Enfim eu continuo acreditando que tudo no final vai dar certo, que não serei nunca mais o mesmo, e que tudo que passei esse ano embora eu não consiga ver, no futuro fará um grande sentido.
Continuo acreditando que o mais importante não é quem você é quando está na frente de todo mundo, mas quando você está sozinho, que é fácil receber elogios, difícil é receber as críticas por ter desistido, mas eu continuo acreditando que existe um recomeço.
Eu continuo acreditando em um Deus que perdoa, que ama e talvez escreva um livro sobre incrível jornada de um Deus que não desiste nunca.
Para 2009 eu continuo acreditando...

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Se é futuro deixa estar

Deixa estar, se é futuro...
o Sol vai nascer.
Se é futuro então pra sempre,
você vai me ter.
E tudo que é simples,
se tornará necessário.


Deixa estar, se é futuro...
desligar o telefone não será tão fácil.
Se é futuro conversar sobre tudo,
nunca será chato.
E olhar para o amanhã,
não será nublado.


Se é futuro deixa estar...
Se é futuro então será...
Se é futuro não se sabe,
sem arriscar...


Deixa estar, se é futuro...
não faz parte da história sentir medo.
Se é futuro eu vivo,
todo meu desejo.
E não existe ponto final,
nem último beijo.


Deixa estar, se é futuro...
não se duvida frente ao precipício.
Se é futuro não se tenta,
esquecer os defeitos.
E não é preciso,
engolir a seco.

Um padrão mais alto que o de Deus

Não é de admirar que o número de pessoas que se "desviaram" é proporcional ao número de pessoas que continuam vivendo uma vida com Deus, isso é, se acreditarmos que todos que frequentam uma igreja possuem uma vida com Deus, o que é uma grande mentira, mas vamos seguir um padrão estatístico para apurarmos alguns fatos.
Os fariseus modernos ou como alguns preferem ser chamados "santos" como pode uma palavra perder tanto seu real sentido? Como pode o ser humano ser tão sábio a ponto de achar que pode alcançar a santificação por sí só? Incrível nossa capacidade de falar mais que ouvir, talvez por isso a igreja tenha perdido tanto desde a reforma luterana, não que os padrões tenham baixado é que não existe mais igreja.
Duro ler isso? Talvez nós cristãos achamos tal declaração um absurdo, mas verifique pelo atos se a maioria das "igrejas" não se parecem mais com empresas, que demitem, admitem, investem e até mesmo falem.
Não quero nesse texto ser tachativo, nem injusto ao dizer que todas as igrejas se perderam, não é isso, conheço muitas igrejas que buscam viver segundo tudo que desde o princípio foi estipulado, acho que alguns já ouviram falar em "igreja primitiva".
Um novo padrão bem mais alto que o de Deus está sendo cobrado a muitos de nós que agora com olhos abertos enxergamos a diferença entre o que é certo e o errado, talvez pra manter uma certa ordem e não deixar os membros se perderem no pecado, mas se pensarmos assim estamos fadados a negligenciar toda a reforma protestante, afinal Lutero e seus contemporaneos não lutaram para que a palavra de Deus pudesse ser de comum acesso, não só ao clero? Logo estamos presos em um fato simples, tantas regras inventadas que nos proibem de pensar e de ter próprias conclusões, talvez seja mais comodo ter alguém dizendo do altar o que se deve fazer e apenas seguir passos pisados, mas arde em meu coração o agradecimento a homens e mulheres que fizeram diferente, pois se fosse nossa geração na época da expansão do cristianismo, hoje seríamos do tamanho de um clube, não me refiro a nenhuma igreja específica, qualquer semelhança é mera coincidência.
Gostaria de descorrer sobre esse assunto, mas quero a apenas te levar a pensar sobre como estamos mudando rapidamente, somos tão capitalistas como qualquer empresa, e tão imparciais como qualquer fundação que decide ajudar um grupo específico de pessoas.
A grande questão é se temos livre acesso ao Pai, livre acesso a palavra de Deus, por que nos submetemos a um padrão tão alto de santidade?
A provavel grande resposta é que um padrão mais alto que o correto faz com que as pessoas se esforcem mais para alcança-lo sendo assim elas acabam ultrapassando o padrão de Deus e mesmo não alcançando o padrão imposto por muitas "igrejas" os membros acabam vivendo dentro do padrão de Deus, uma grande jogada de marketing, porém o número de frustrados por não conseguirem alcançar o padrão imposto pelas "igrejas" aumenta, fazendo com que o número de pessoas que desistem de ser cristão seja proporcional ao número de pessoas que seguem em busca desse padrão santíssimo e intocável.
Dói saber que o Deus todo-poderoso continua sendo simples, santo e consciente da nossa fragilidade e fraqueza humana, afinal não foi por isso que Jesus veio a Terra? Não veio para sentir o que sentimos e mesmo assim vencer e tirar o pecado do mundo?
Um padrão mais alto que o de Deus, um Deus na caixa de sapato e detentores da verdade por todos os lados.

sábado, 6 de dezembro de 2008

Carta ao amigo de pé

Bom ter notícias suas meu irmão que hoje se tornou desconhecido,
não por culpa sua, mas como você disse estamos muito distantes,
eu sinto muita falta das conversas sobre os que estavam onde estou,
antes de mais nada tenho que dizer que é bem diferente do que pensávamos,
aqui só faz frio, a água é amarga só no primeiro gole parece ser doce,
doce devido a auto comiseração, ou a querer achar culpados,
mas como aprendemos eu escolhi estar aqui.
Aqui eu não preciso fingir pra ninguém,
até porque as feridas logo denunciam e a visão embaçada de tanta escuridão,
faz com que fique impossível achar uma saída,
daí então a necessidade de uma mão estendida,
mas como sempre conversávamos é perigoso se arriscar,
afinal é mais fácil quem estender a mão cair do que quem estar caído levantar,
nesse momento você deve se recordar, pois foi você que usou essa frase.
Claro que ela não faz muito sentido pra quem está aqui,
na verdade aqui não existe sentido,
você iria rir, a cada mero feixe de luz as pessoas correm querendo quem sabe sair daqui,
outros já fizeram comércio e vendem desde livros de auto ajuda até suicídio,
e o mais engraçado é que mesmo sendo mais caro o suicídio é o que mais vende,
talvez pela falta de esperança e a culpa que as pessoas carregam.
Todos nós aqui temos um espelho que só reflete a vergonha de ter caído,
então nem me pergunte como estou, porque só consigo enxergar vergonha por ter falhado,
e não ter sido como você, tão forte e mesmo sem saber interpretar,
continuar tendo uma vida digna dos que estão de pé.
Fiquei muito feliz por saber que você ainda usa a blusa que te dei,
sei que é mais fácil colocar a culpa nos que estão aqui,
afinal em matéria de indiferença sempre fomos referências,
mas aqui tudo é bem diferente de quando estive ai,
porém meu saudoso amigo ainda existem sonhos nessa cidade perdida,
afinal não sei de onde vem, mas sempre se estende uma mão e alguns levantam,
e algo que nunca pensamos acontece aqui,
ainda existe esperança, mesmo com toda culpa, ódio, vergonha e dor,
ainda existe esperança meu nobre amigo.

Carta ao amigo caído

Antes de mais nada sinto saudade,
saudade do tempo em que as coisas faziam sentido,
e a maior definição que existia era de que tudo vai dar certo no final,
mas acho que o tempo passou rápido demais,
e as coisas mudaram como um prédio que desaba, uma cidade que desmorona.
Eu continuo aqui em cima colocando a culpa nos atos alheios,
até tem sido fácil, tenho visto como somos fortes,
e já nem te olho como alguém que escolheu estar onde está,
deve ser difícil ter que convencer o mundo inteiro,
de uma dor que só você sente e mais ninguém,
não que eu consiga te entender,
de onde estou fica difícil até imaginar uma queda tão grande,
é que você sabe melhor que eu,
como temos que manter uma aparência.
Antes que você pergunte,
já vou adiantar como estão as coisas por aqui,
como sempre continuo com a idéia fixa de que sou super herói,
não que eu queira, mas é preciso manter as asas abertas,
aqui em cima temos sempre que mostrar para todos que podemos voar.
Sem falar nos erros, vou contar um segredo,
as vezes acho que não vou aguentar,
nunca fui muito bom em interpretar,
e viver uma vida de quem não pode cometer erros me faz repensar,
se estou realmente aqui em cima ou cada vez mais perto de você.
As pessoas por aqui ainda continuam idealizando um alguém que não existe,
elas pensam que posso carregar o peso do mundo,
mal sabem elas que nem estou me aguentando,
mas não conte a ninguém, isto é, se houver alguém ai embaixo com você,
coisa que por sinal acho impossível,
não que você seja tão fraco, mas também não existem tantas pessoas como você,
porém gostaria de saber as notícias dessa cidade perdida,
dessa vida sobrevivida,
se ai embaixo é tão escuro e frio como dizem os que voltaram,
se a água do poço é doce ou amarga,
porque aqui em cima eu continuo disfarçando,
mesmo quando as coisas não vão bem,
estou cheio de sapo na garganta,
mas reclamar não faz parte das atitudes dos que vivem aqui em cima,
se é que você se lembra,
meu pé está cheio de calos, estou separando os dias para que fique mais organizado,
na hora de pisarem,
estou fechando os olhos quando vejo alguma coisa errada,
afinal aqui em cima ninguém erra ou melhor fazemos com que acreditem nisso.
Pra finalizar meu caro amigo, espero notícias suas,
na verdade não sentimos muito a sua falta,
sentimos uma repulsa misturada com dó por você não ter aguentado,
afinal muitos são chamado e poucos escolhidos,
e por falar nisso ainda uso a camisa que você me deu,
com o dizer "cuide para que não caia".

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Ansiedade (desafinos e decisões)

Se vão os dias, as horas,
completando coisas que não sei,
os elogios são deixados de lado,
pra saber na verdade quem está errado.
Queimei os livros de auto ajuda,
pois não se pode ajudar,
sem uma mão estendida.


Eu pensei sobre tudo que vivemos,
inevitável seria não te amar,
mas já que você prefere assim,
deixa o vento levar os planos,
as palavras soltas pelo ar.


Acordei bem cedo,
mesmo sem conseguir dormir a noite inteira,
com as unhas ruídas de tanta ansiedade,
pra resolver toda essa besteira.
Tive um sonho bom,
que de tão bom só poderia está acordado,
e nesse sonho você estava do meu lado.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Bagagens e bobagens

Com disposição pra mudar o mundo novamente,
deixar as bagagens pesadas e seguir em frente,
talvez com algumas idéias fixas,
que fazem girar minha mente.
O que me faz ficar aqui?
Que sentido existe antes do fim?


A vida é uma ponte,
que cruza abismos,
e que se faz a cada passo.
A vida é uma estante,
que guarda seu retrato,
e que se faz a cada ato.


Com as armas engatilhadas,
chega um momento que é partir para o tudo ou nada,
e mesmo tudo indo mais devagar,
encontro a rapidez do meus erros,
me questionando sobre o que devo fazer.


Mas não olho com medo,
para o que vejo no espelho,
sou o reflexo das minhas escolhas,
do que ontem era imperfeito,
hoje busca a perfeição,
e amanha é tempo de mais para alcançar.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Não tão diferente de você

Não sou tão estranho assim,
e nem tão diferente de você,
é que não sou dos que levantam o vencedor,
mas o apóio até vencer,
é que não sou dos que jogam com cartas marcadas,
mas não jogo pra perder.


Eu acho que é injusto,
mas nem me importo,
sentir dor é sinal,
que existe algo errado.
Eu acho que é impuro,
mas não me calo,
se sentir sozinho,
vai além de ter alguém ao lado.


Não sou a sua maneira,
nem tão perfeito como você,
é que não sou o último no campo de batalha,
mas retorno pra resgatar os que ficaram.
é que não sou dos que sorriem esfaquiando,
mas me faço de idiota pra você não entender,
que pra você meu sorriso é de desprezo.

Não venha me dizer

Não me diga que eu não tentei,
assumi meus erros,
quando você nem olhou pra trás.
Não me fale dos dias claros,
dos sentimentos,
e das palavras amargas.


Nem se importou antes,
reconstruir o que ficou,
é sentir dormente o corpo,
num mar de tanto faz.
Então me desculpe,
por não ter aguentado um pouco mais.


Não me diga pra recomeçar,
o que eu quero esquecer,
você me conveceu,
a não me preocupar.
Não me fale do planos inacabados,
todos eles incluiam você,
tudo desmorou com seu sopro,
então não finga se importar.

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Andando pra casa

Não senhor, eu não quero ser eu mesmo,
nem quis levantar hoje e esbarrar nas pessoas,
indo trabalhar,
Nem quis te dizer,
que entre o novo e a novidade,
existe uma diferença,
que encontro antes de me perder.
Quantas vezes fecho os olhos pra não ver,
os seus defeitos,
misturado com meu erro,
de não querer enxergar.


Decidi enfim deixar tudo,
que me prendia para trás,
meu senso do passado,
já se recusa a dizer nunca mais.


Não senhor, não quero a explicação de tudo,
só entender em mim o que sou,
quando ninguém vê.
Nem quis te dizer,
que entre amar e ser amado,
existem enormes sacrifícios a se fazer,
o mais impossível é conseguir esquecer.
Fui andando pra casa só pra pensar,
que a raiva me rouba momentos,
que no fim das contas,
pra mim foram tão bons.