quinta-feira, 12 de junho de 2008

Minha Cura (Redação do seminário)

Nenhum médico pode explicar um milagre, afinal o ser humano por mais que tente só pode viver o miilagre e não explica-lo com seus métodos e conceitos.
Dada tal circunstância, vivi um milagre quando tinha apenas cinco anos de idade, ainda era uma criança sem muito entendimento, sem saber ao certo o que é Deus ou o que não é, sendo assim não poderia eu ter fé para acreditar em curas, mas foi exatamente o que aconteceu.
Uma febre muito alta tomou conta do meu corpo, em uma noite muito fria, lembro vagamente dos acontecidos naquela semana, mas lembro claramente do desespero da minha mãe ao reparar que minha febre não cessava, lembro também de temer algo que pudesse acontecer já que minha mãe era enfermeira e não estava tão segura em relação a essa febre que só aumentava.
Meus olhos se fecharam quando caminhávamos para algum lugar, desmaiei, e só me lembro então de estar pulando no banco da igreja no momento final do culto, ao som de um louvor, não sei realmente o que aconteceu, apenas sei que estava enfermo e havia sido curado, que meus olhos se fecharam talvez querendo até mesmo não mais abrir, mas agora estavam abertos.
O que vemos então ao nosso redor senão curas e milagres, pessoas que antes não andavam e hoje correm, seria então mais um motivo para acreditarmos que Deus não mudou e se não mudou, nossa fé diminuiu.

Obediência: a maior exigência de Deus (Redação do seminário)

Ele só tentou ser alguém mais feliz, sem se importar com o que falavam dele, mas quem disse que seria tão fácil assim?
Sua rotina era simples, seu jeito um pouco complicado, mas seus passos só o levavam a uma direção: obediência.
Ao mesmo tempo que tinha vontade de falar tudo que pensava, ele era sensível a voz de Deus que o mandava se calar, no final das contas ele sabia que o melhor a fazer era obedecer, melhor até mesmo do que sacrificar.
Um dia Deus o fez refletir sobre uma escolha que ele deveria fazer, uma escolha que mudaria toda sua vida, ele ficou entre a solidão humana e a satisfação espiritual, Deus claramente pediu que ele escolhesse a satisfação espiritual, afinal o reino é mais importante que as demais coisas, que com o tempo vão sendo acrescentadas.
Era bem mais do que só abrir mão, era olhar para o futuro e ver todas as possibilidades, era olhar para o passado e ver todos os momentos e era olhar para o presente e ter que fazer uma escolha.
E assim ele escolheu se satisfazer espiritualmente, passar por alguns momentos de solidão, por algumas críticas e calúnias, teve que levar o mundo de uma decisão certa aos olhos de Deus, mas absurda aos olhos dos homens, porém nunca carregou sozinho esse mundo, nunca nem por um momento se arrependeu de ter escolhido obedecer a vontade de Deus.

Expectativas Quebradas Parte 2 (Redação do seminário)

São dias iguais, são as mesmas vinte e quatro horas para todos nós, então como podemos ser tão diferentes? Será que nosso mundo é tão desigual? Que somos tão insuficientes para fazer alguém se sentir bem?
Muito se diz a respeito de não se importar com opiniões alheis, mas bem da verdade, todos nós prefirimos os elogios do que as críticas, preferimos que falem a nosso respeito coisas boas, coisas verdadeiras, mas e quando agradar ao próximo se torna tão impossível quanto tentar chegar a Lua saltando?
Pelo que sei a bíblia relata que temos que amar nosso próximo como a nós mesmo, uma tarefa fácil se olhamos para o amor que Cristo tem por nós, contudo podemos claramente reparar a dificuldade de realmente amar quando olhamos para o nosso próximo, olhamos para o que ele faz, reparamos se ele nos corresponde ou se nos trata como um carta fora do baralho.
Temo ter que concluir afirmando que não amamos como deveríamos, queremos sempre de alguma forma impor nosso padrão, queremos que as pessoas tenham nosso estilo de vida, e se não tem, não servem, e fatalmente acabamos desistindo de alguém que Deus nunca vai desistir.
Como definir amor se muita das vezes o que sentimos uns pelo outros nada mais é do que deveres e direitos, se você fizer isso, você tem direito a aquilo e se não fizer infelizmente o final da fila te aguarda.
Corresponder a Deus fica então mais fácil e mais simples do que esperar que as pessoas não nos julguem, acabamos entrando em um tribunal mesmo estando ausentes, não somos convidados a expressar nenhuma palavra já entramos sentenciados a condenação, a punição vai desde o desprezo até os risos falsos de quem diz amar, mas não nos suporta.
Repito na esperança que alguém possa mudar, o padrão de Deus é Cristo e como Cristo amou assim devemos nos amar, seguir esse padrão seria ao menos mais justo com pessoas como eu que tem um padrão baixo, com muitos defeitos, mas com enorme potencial e vontade de mudar.

quinta-feira, 5 de junho de 2008

Expectativas Quebradas

"E se não conseguirmos agradar a todos?"
Eis então uma questão que me surpreende, por mais que você faça, nunca será o bastante para te colocar distante do precipício do erro, e um erro quebra todos os acertos.
Não faz o menor sentido pra mim ter que carregar um mundo inteiro nas costas, quando o próprio Jesus garante que seu jugo é suave e seu fardo é leve, mas mesmo assim por algumas razões, somos feitos de vidro, e quebramos no momento em que não correspondemos uma expectativa.
Imagino como Deus vê essas situações, o Deus que nunca desampara, o Deus criador de todas as coisas, o Deus que não desiste, como Deus vê nossos fracassos, como Ele lida com nossas frustações, em qual lugar está escrito ou ao menos implícito que Deus nos abandona ou se faz indiferente em meio à nossas falhas?
Preciso aprender tantas coisas, mas talvez uma das que aprendi e mudou toda minha maneira de encarar os fatos, é que no final só uma opinião importa, a opinião de Deus.
Podemos nós chegar a tal ponto de esquecer que o que realmente importa é agradar a Deus?
Nossa soberba acaba se disfarçando de santidade, quando na verdade as duas andam em direção oposta, queremos colocar Deus em uma caixa de sapatos, assim como colocamos as pessoas, se aperta nosso pé guardamos na caixa, e dizemos humildemente de peito estufado: não podemos caminhar juntos. Santos demais para lembrar de caminhar mais uma milha.
Não que sejamos fortes o bastante para viver uma vida sem se importar com o que os outros falam, nem mesmo o maior mentiroso consegue se enganar dessa maneira, mas no final das contas vão falar coisas que nem mesmo você sabia, e a novidade sobre você, também te surpreenderá, mas até que ponto nos confortaremos com a bem aventurança que Jesus disse em Mateus 5:11 "Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem, e, mentindo, disserem todo o mal contra vós, por minha causa."
Na verdade o bom tapinha nas costas existirá até o dia em que você corresponder as expectativas, no dia em que você falhar, o final da fila te aguarda novamente, o que me deixa feliz é saber que Deus não é assim, nós erramos, nos arrependemos, e logo depois Ele diz: Já me esqueci.